Newsletter
Contatos

Matriz
Rua Raimundo Chaves, 2182 - 5º andar
Candelária, Natal
Rio Grande do Norte, Brasil
CEP: 59064-390
Telefone: +55 (84) 3344-7100
Fax:         +55 (84) 3344-7105

Jucurutu
Travessa Sete de Setembro, 111 A
Centro, Jucurutu
Rio Grande do Norte, Brasil
CEP: 59330-000

Mina do Bonito - Jucurutu
Sítio Bonito, S/N
Zona Rural, Jucurutu
Rio Grande do Norte, Brasil
CEP: 59330-000

Juazeirinho
Rodovia KM 319, 790, S/N
Margem da Ferrovia LTNR
Sítio Belo Horizonte, Juazeirinho
Paraíba, Brasil
CEP: 58660-000
Telefone: +55 (83) 3382-1763

Ipojuca
Avenida Portuária, S/N
Porto de Suape - Ipojuca
Pernambuco, Brasil
CEP: 55590-000
Telefone: +55 (81) 3527-4110

São Paulo
Rua Jerônimo da Veiga, 45 – 16º Andar
Itaim Bibi – São Paulo
São Paulo, Brasil
CEP: 04536-000
Telefone: +55 (11) 3167-2202

Etapas de Processamento e Beneficiamento

O material cominuido será processado de acordo com as seguintes etapas: rebritagem; moagem; deslamagem; flotação; espessamento de concentrado; espessamento de lamas; remoagem; transporte de polpa por mineroduto; filtragem; e empilhamento. A seguir encontram-se descritas as principais funções de cada uma dessas etapas interligadas.

Rebritagem

A rebritagem terá a função de cominuir o material a uma granulometria mais fina, de cerca de 25 mm, para possibilitar a alimentação da prensa de rolos. O produto da rebritagem será peneirado e o retido na peneira retornará para a rebritagem. O material que passar na peneira seguirá para a etapa de prensagem descrita abaixo.

Prensagem

A prensagem será responsável pela redução do tamanho do material. O material que passar no peneiramento seguirá para os silos da prensa de rolos, de onde será extraído para alimentação da prensa. Caso um metal seja detectado, imediatamente o divisor será acionado e o fluxo que contém o metal será desviado da prensa de rolos e seguirá para a moagem.

Moagem

O produto da prensagem seguirá para a etapa da moagem, através de transportadores de correia promovendo a cominuição do minério. A cominuição do minério é necessária para se obter uma granulometria adequada ao processo de concentração utilizado (flotação), assim como para consecução de uma liberação adequada dos minerais a serem separados (ferro e sílica). A moagem será realizada em circuito fechado com classificação onde o underflow retorna para a moagem (carga circulante) e overflow seguirá para a deslamagem.

Deslamagem

A deslamagem será realizada em dois estágios, deslamagem primária e secundária. O overflow da deslamagem primária seguirá para a deslamagem secundária. O overflow da deslamagem secundária seguirá para o espessador de lamas. Já o underflow seguirá para o condicionamento da flotação, juntamente com o underflow da deslamagem primária.

Flotação

O underflow da deslamagem seguirá para os condicionadores da flotação onde haverá adição de amido gelatinizado e soda cáustica. O amido atua como depressor do ferro e a soda ajusta o pH da polpa. Após o tempo de residência necessário para condicionamento (10 minutos), haverá adição de amina na calha de descarga do condicionador. A amina atua como coletor de sílica e espumante.

A flotação será composta por cinco estágios, que resultarão em dois produtos: um concentrado final, que seguirá para a remoagem e posteriormente para o espessamento; e um rejeito final, que será espessado para recuperação de água de processo e depois seguirá para a barragem de rejeitos.

Remoagem

O concentrado final da flotação seguirá a etapa da remoagem para ajustar a granulometria da polpa para alimentação do mineroduto. A remoagem trabalhará em circuito fechado. O underflow da classificação constituirá na carga circulante do circuito e o overflow seguirá para o espessamento de concentrado.

Espessamento de concentrado

O concentrado final remoído seguirá para a alimentação do espessador de concentrado para ajustar a percentagem de sólidos para transporte por mineroduto, promovendo a recuperação de água. O underflow do espessamento de concentrado seguirá para os tanques de expedição do mineroduto e o overflow será água recuperada para reaproveitamento na usina, como água de processo.

Espessamento de rejeitos

O overflow da deslamagem (lamas) e o rejeito da flotação seguirão para a alimentação do espessador de rejeitos para adequar a percentagem de sólidos, promovendo a recuperação de água, antes de seguir para a barragem de rejeitos. O underflow do espessamento de rejeitos seguirá para a barragem de rejeitos e o overflow será água recuperada para reaproveitamento na usina, como água de processo.

Transporte de polpa por mineroduto

O underflow do espessador de concentrado seguirá para os tanques de expedição do mineroduto, com um tempo de residência de 6 horas. A polpa será transportada por mineroduto através de bombas de deslocamento positivo seguindo para o Porto do Mangue. No porto do Mangue haverá tanques para recebimento da polpa por mineroduto para regularizar a alimentação do espessamento e filtragem no porto.

Filtragem e empilhamento de produtos

Dos tanques de recebimento do mineroduto, a polpa será bombeada para o espessador de concentrado para adequar a percentagem de sólidos para alimentação da filtragem. O underflow do espessamento de concentrado seguirá para a filtragem e o overflow será direcionado para o espessador clarificador.

A filtragem será realizada em filtros cerâmicos (ceramec). A torta será o pellet feed produzido que seguirá para o empilhamento. O filtrado seguirá para o espessador clarificador, juntamente com o overflow do espessador de concentrado. O underflow do espessador clarificador retornará para o espessamento de concentrado e o overflow seguirá para uma Estação de Tratamento de Efluentes Industriais.

O pellet feed será empilhado e retomado do pátio de produtos através de Stacker-Reclaimer.